cross-docking

Saiba tudo sobre o que é cross docking!

Você sabe o que é cross docking? Será que ele é o mais indicado para a sua empresa?

Apesar de parecer extremamente atrativo, o cross docking é mais indicado para comércios digitais, ou seja, para e-commerces. Devido a diferença de experiência de compra nos dois casos.

Com o surgimento da logística omnichannel, aumento da diversificação de canais de vendas e número de e-commerces saber o que é cross docking é uma ótima estratégia.

Principalmente porque estamos em um cenário de consumo cada vez mais ágil, com compras em poucos cliques, entrega expressa e o same day delivery. As empresas que não procuram otimizar seus processos logísticos vão perder posição para seus concorrentes rapidamente.

Vamos entender melhor o que significa este termo, benefícios e como ele pode agilizar processos? Então, vamos lá!

Ah! Não deixe de ler o artigo até o final, separamos alguns cuidados indispensáveis para empresas que pensam em aderir ao cross docking.

O que é cross docking?

Cross docking é um processo logístico que visa diminuir o número de armazenamentos intermediários. Ele é baseado na estratégia just in time de trabalhar com o estoque do fornecedor.

Na forma tradicional o lojista adquire um produto do fornecedor, estoca e vende para o cliente, certo?

Já no modelo logístico de cross docking, o lojista efetua a venda primeiro e só então faz o pedido para o fornecedor. Desta forma, o produto já é destinado ao cliente no momento em que embarca para um armazém, ou operador logístico.

Resumidamente, neste modelo a empresa pode trabalhar como um e-commerce sem estoque, por exemplo. Ter, então, seus produtos enviados diretamente para o centro de distribuição e direcionado ao cliente.

Veja o infográfico abaixo para compreender melhor o que é cross docking:

Tipos de cross docking

O cross docking pode ser desenvolvido de formas diferentes dependendo dos produtos transportados, ou do posicionamento estratégico da empresa. Existem três formas de aplicação:

  • Movimentação contínua – É o tipo mais comum, e o objetivo central é a agilidade. Para isso, as mercadorias são recebidas do fornecedor e expedidas no menor tempo possível, evitando ao máximo produtos em estoque;
  • Movimento de distribuição – Neste tipo de cross docking os produtos são recebidos do fornecedor, separados e enviados para preencher a carga completa do transporte. Também chamada de cargas lotação. A aplicação deste tipo de cross docking é mais comum em empresas que atuam no mercado B2B.
  • Movimentação consolidada ou híbrida – Parte dos produtos é separada e enviada ao cliente e parte é encaminhada para o estoque.

Benefícios do cross docking

  • Menor custo logístico – A empresa que atua no formato cross docking não precisa, necessariamente, de um grande espaço de estocagem. Desta forma, os custos fixos com este item são minimizados.
  • Mais agilidade – O processo de separação e distribuição acontece de forma mais rápida devido à diminuição de etapas e burocracia.
  • Melhora na experiência do usuário – Os objetivos principais do cross docking é aumentar a agilidade logística sem comprometer a qualidade do serviço prestado. Isso, naturalmente, torna o processo de compra mais positivo para o consumidor.

Além, é claro, de evitar capital parado, diminuir riscos de avarias e aumentar a variedade de produtos disponíveis para o consumidor.

Como funciona o cross docking, na prática?

Não basta saber o que é cross docking, precisamos compreender como ele realmente funciona.

1 – Escolha do fornecedor

cross docking

A primeira etapa da compreensão de o que é cross docking é a escolha do fornecedor. Após o lojista desenvolver um planejamento estratégico de como ele vai atuar no cross docking é o momento de escolher qual o fornecedor se enquadra nos seus requisitos. Os principais itens a serem considerados são: confiança no fornecedor e prazo de entrega.

Além do preço, é claro.

Diferente do método tradicional, no cross docking você já realizou a venda antes de ter o produto em estoque. Isso quer dizer que, independente do que aconteça esse produto precisa ser entregue no prazo acordado. Caso contrário você vai prejudicar a experiência do consumidor, as chances de fidelização e ainda pode sofrer com comentários negativos nas avaliações.

Por isso a escolha do fornecedor é um dos passos mais delicados e importantes dessa estratégia. Se ele não cumprir com o prazo, não tiver estoque integrado e atualizado você corre o risco de vender algo que não será entregue.

2 – Cadastro de produtos disponíveis

Uma das vantagens de aplicar o cross docking é que você pode oferecer uma gama maior de produtos, sem o custo de mantê-los em estoque. Ou seja, maior variedade para o cliente, menor custo para a sua empresa.

O segundo passo de o que é, portanto, a seleção de produtos que você quer de fato vender e aqueles que você gostaria de fazer um teste de mercado. Depois da escolha basta cadastrá-los na aba de produtos disponíveis.

3 – Estabelecer prazos

No momento do planejamento estratégico é indispensável que o lojista trace cenários realistas, otimistas e pessimistas. Afinal, o prazo de entrega é um dos fatores com maior peso para os consumidores, tanto em relação a atrasos, quando na agilidade.

Isso quer dizer que a experiência do cliente é afetada positivamente quando oferecemos prazos cada vez menores e negativamente quando a promessa de prazo é quebrada. Fique atento a isso para que o cross docking seja realmente positivo para a sua empresa.

Ah! E deixe claro o sistema logístico com o qual a sua empresa trabalha. O relacionamento com o cliente deve ser completamente transparente.

O prazo é, infelizmente, um dos pontos contra o sistema de cross docking. Afinal, a tendência no cenário de transporte é entregas cada vez mais ágeis, inspiradas pelo same day delivery.

Cuidados com o cross docking

o que é cross docking

Como vimos acima, o prazo pode ser um dos calcanhares de aquiles do sistema de cross docking. Como o pedido é realizado após a venda do produto, o prazo de envio, naturalmente, é maior do que se a empresa já tivesse o produto em estoque.

É interessante, portanto, otimizar todos os demais processos, principalmente no setor de compras, distribuição e pagamento. Outro ponto indispensável é estabelecer um relacionamento estratégico com seus fornecedores. Eles são peças-chave no cross-docking.

Veja mais alguns itens que é preciso ter cuidado ao implantar o cross docking:

  • Menor poder de negociação – Como os pedidos são feitos de forma individual você perde a vantagem de negociar preços melhores baseados no tamanho do pedido. Um bom planejamento e acordos prévios com fornecedores podem minimizar essa questão;
  • Maior custo com transporte – Neste caso você pode fechar acordos de transporte de cargas fracionadas e dissipar estes custos com mais empresas.
  • Sazonalidade – O seu negócio pode apresentar picos de vendas incomuns para o fornecedor. Se ele não tiver um estoque preparado para isso você corre o risco de não ter a mercadoria para o envio. A comunicação e integração com o fornecedor são indispensáveis para alinhar e neutralizar estas situações.

Veja abaixo como a Maplink pode te ajudar com este tema.

Maplink

A Maplink é a maior revendedora de Google Maps da América Latina e possui APIs de inteligência em logística. Utilizado por empresas como BRF, Nestlé, Ambev e mais 400 clientes em todos os setores da economia.

Nele você consegue ter acesso a funções para:

  • Organizar rotas de entregas;
  • Integrar e implementar APIs para otimização de processos logísticos e gerais;
  • Calcular custos de combustível;
  • Fazer o armazenamento na nuvem;
  • Etc.

Para quem procura soluções mais robustas, nós da Maplink desenvolvemos ações sob medida para as suas necessidades.

Fale com um de nossos especialistas e conheça as melhores soluções!

Tags: No tags

Comments are closed.