terça-feira, dezembro 7, 2021

Custo de gerenciamento de risco: Como calcular o GRIS?

Você sabe como calcular o GRIS?

São tantas taxas e custos que envolvem o cálculo do frete que muitas vezes os clientes, e até a empresa, não conseguem entender completamente. Mas é extremamente importante conhecer bem cada um deles.

Afinal, calcular o custo de transporte de cargas de forma errada pode gerar custos desnecessários ou cobranças abusivas. Isso quer dizer que, ou você acaba prejudicando a saúde financeira do setor de logística, ou perde clientes e vantagem competitiva devido a um valor não otimizado.

Mas o custo de transporte não é a soma dos gastos com combustíveis, pedágios e motorista?

Não! Seria fácil desta forma, mas também acarretaria prejuízos imensos para as empresas de transporte. Quando estabelecemos um valor por um serviço é preciso incluir todos os gastos, taxas e impostos.

O GRIS, por exemplo, é uma das taxas que mais gera dúvida, afinal, nem sempre ele é incluso no valor total do frete. Quer entender melhor essa taxa e como calcular o GRIS?

Então, vamos lá!

O que significa GRIS?

GRIS

Como mencionamos na introdução, GRIS é uma taxa que compõe o custo final do frete, a sigla significa custo do gerenciamento de riscos. Na prática, ela é uma porcentagem aplicada sobre o valor total da nota fiscal.

Como a própria definição sugere, ela é baseada no gerenciamento da probabilidade de riscos que determinada carga pode enfrentar no percurso. Então, o GRIS não é o valor pelo risco e sim pelo gerenciamento, ok?.

Saiba mais: O que é GRIS no transporte? Como incluir no valor do frete?

Para calcular o GRIS, precisamos avaliar, portanto, quais os fatores que influenciam na sua determinação.

Quais fatores influenciam em como calcular o GRIS?

O principal impacto sobre o cálculo do GRIS é o valor agregado da carga. Afinal, sabemos que quanto maior o valor, maiores as chances de roubo, certo? Infelizmente, nossas cargas, veículos e colaboradores enfrentam diversos riscos ao transportar uma mercadoria.

E é exatamente para cobrir o gerenciamento destes riscos que precisamos saber como calcular o GRIS. Entretanto, o valor agregado não é o único fator que impacta no custo de gerenciamento de riscos. Veja alguns dos principais:

  • Tipo, peso e tamanho do produto

Produtos mais leves costumam atrair mais a atenção de saqueadores. E, normalmente, são os produtos levados em caso de acidentes, por exemplo. Os tipos de cargas mais saqueadas no Brasil são:

  • Eletroeletrônicos;
  • Cigarros;
  • Produtos farmacêuticos;
  • Produtos têxteis;
  • Autopeças e
  • Combustíveis
  • Facilidade de comercialização

Algumas cargas podem ser mais facilmente revendidas, inclusive sem nota fiscal. Produtos mais populares no mercado costumam ser comercializados com maior facilidade. O que, é claro, aumenta o risco de roubos de cargas. E, consequentemente, o valor do GRIS.

  • Trajeto

custo transporte

O principal meio de transporte de cargas no Brasil ainda é o rodoviário e, bom, nós temos uma gigantesca malha rodoviária. O que dificulta muito a fiscalização e o monitoramento. Principalmente no transporte noturno e nas paradas de descanso.

É importante salientar que alguns estados e cidades oferecem mais riscos para o transporte do que outros. De acordo com a Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC), Rio de Janeiro e São Paulo são os locais com maior índice de roubo de cargas, juntos somam mais de 80% do casos.

Isso quer dizer que o planejamento de rotas também pode impactar no momento de calcular o GRIS.

  • Monitoramento

custos de transporte

Cargas que possuam número de série, chip ativo, códigos e qualquer outro tipo de identificação apresentam maior probabilidade de localização. Por isso, menos atrativas para criminosos.

Despesas

E, por fim, as principais despesas que devem ser consideradas ao calcular o GRIS são:

Veja também – Como reduzir custo operacional sem comprometer a equipe?

Agora que você já consegue determinar em quais áreas de risco está a sua empresa de transportes e as despesas que precisam ser consideradas, deve estar se perguntando: Como calcular o GRIS baseado no valor total da carga?

Como calcular o GRIS?

como calcular o GRIS

O como calcular o GRIS é extremamente simples, afinal, ele é uma porcentagem aplicada no valor total da nota. Resumidamente:

GRIS = Valor da nota X Taxa

Isso quer dizer que, se o GRIS for 0,4%, por exemplo, e o valor total da carga for R$ 50.000,00, o GRIS é:

GRIS = 50.000 X 0,004 = 200

Ou seja, o GRIS é R$ 200,00. Mas como chegamos ao valor de 0,4%?

Bom, a taxa percentual do GRIS varia de acordo como inúmeros fatores, como já mencionamos. Se você conhece todas as suas despesas com gerenciamento de riscos, o Portal NTC desenvolveu uma fórmula para uma taxa GRIS personalizada.

Se você não consegue incluir todas as despesas com precisão, pode usar um valor médio de 0,03%, estabelecido pela Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC&Logística). Como se fosse uma taxa sugerida.

A depender da carga essa porcentagem pode aumentar ou diminuir. Para saber como calcular o GRIS, portanto, você precisa analisar os fatores que citamos acima.

Aplicação GRIS

De maneira geral, cargas com maior risco de roubo, como eletrônicos, alimentos, e demais produtos de alto valor agregado, mais leves e comerciáveis, possuem uma taxa de GRIS maior.

Ao contrário do transporte de areia, pedras, madeira, por exemplo

Esta análise de como calcular o GRIS é baseada em histórico do setor, da região e dos veículos utilizados. Vale ressaltar que ela não é obrigatória, é, na verdade um acordo entre as partes. Pode, inclusive, não ser cobrada em setores com baixo risco de transporte, por exemplo.

Ah! E, claro, quanto melhor for o gerenciamento de riscos no transporte da sua empresa, com investimento em tecnologia e inteligência, maior a segurança do transporte.

Cálculo de frete, custos e gerenciamento logístico ainda são bichos de sete cabeças para você? Não precisa ser, apesar de existirem tantas taxas, dados e análises, hoje é possível contar com a ajuda de ferramentas de logística altamente eficientes.

Como a Maplink! Quer saber como podemos te ajudar?

Maplink

A Maplink é um dos maiores softwares de inteligência em logística América Latina. Utilizado por empresas como BRF, Nestlé, Ambev e mais 3 mil clientes no mundo todo.

Nele você consegue ter acesso a funções para:

  • Organizar rotas de entregas;
  • Integrar e implementar APIs para otimização de processos logísticos e gerais;
  • Calcular custos de combustível;
  • Fazer o armazenamento na nuvem;
  • Etc.

Para quem procura soluções mais robustas, nós da Maplink desenvolvemos ações sob medida para as suas necessidades.

Fale com um de nossos especialistas e conheça as melhores soluções!

Newsletter
Últimos Posts

Quais as vantagens do Google Cloud? Comparação com AWS

Quais são as vantagens do Google Cloud quando comparadas às da AWS (Amazon Web Services)?  Por mais que a AWS...

Artigos Relacionados